FERNANDO PRESTES 2001-2018
Dono de lotérica de Santa Adélia tem malote roubado

Publicado em 10/10/2018 as 10h10

Loterica SA.jpg

Imagem constante no Google da lotérica em Santa Adélia - Foto: Junior Ap. da Silva

Na tarde de 08/10, por volta das 14h30, no centro de Santa Adélia-SP, o proprietário de uma lotérica foi roubado quando se dirigia até a agência da Caixa Econômica Federal para depositar o movimento do fim de semana.

 

Segundo consta na ocorrência policial, EWZ, proprietário de uma lotérica situada na esquina das ruas Duque de Caxias com a XV de Novembro, foi abordado por um ladrão armado com uma pistola anunciando o roubo, quando se aproximava da agência da Caixa Econômica Federal.

 

EWZ que estava com o malote de dinheiro entrou em luta corporal com o ladrão. Após se desvencilhar da vitima o criminoso apanhou o malote e fugiu sendo auxiliado por um comparsa que o aguardava com uma motocicleta. Durante a fuga o ladrão fez um disparo de arma de fogo na direção da vitima errando o tiro.

 

José Eduardo Aguiar, investigador de polícia em Santa Adélia disse que a vitima teve muita sorte, pois observando filmagens da luta corporal captada por câmeras de segurança notou que o criminoso por várias vezes tentou disparar a arma, fato constatado no cartucho calibre 380 que fora apreendido apresentando vários “picotes” na espoleta.

 

Ainda segundo o investigador, foi apurado até agora que os ladrões usaram uma motocicleta de cor vermelha e possivelmente teve a participação de mais criminosos. Não foi informada a quantia roubada.

 

Roubo em Itápolis

 

Em meados de setembro passado, um crime parecido aconteceu na cidade de Itápolis, quando o proprietário de uma lotérica teve o malote roubado quando se dirigia a uma agência da Caixa Econômica Federal para fazer depósito.

A motocicleta vermelha também esteve presente na cidade de Itápolis ocupada pelo piloto e um garupa.

 

Quadrilha

 

Em 2012 a polícia de Fernando Prestes esclareceu seis roubos em lotéricas, sendo dois aqui na cidade, outros dois em Cândido Rodrigues e os demais em Monte Alto, Vista Alegre do Alto e Taiaçu. Na ocasião foram presos, jugados e condenados pela Justiça mais de 10 criminosos sediados em Monte Alto e que agiam na região.