FERNANDO PRESTES 2001-2018
Professor aposentado é assassinado e em menos de 24 horas polícia de Fernando Prestes esclarece o crime

Publicado em 29/05/2018 as 20h50

Noticia Geraldo Gabas.jpg

Residência da vitima em Fernando Prestes e no detalhe o professor Geraldo da Costa Gabas

Gabas carro 1.jpg

Veículo da vitima foi localizado queimado

Numa ação rápida e eficiente, em menos de 24 horas, policiais civis e militares de Fernando Prestes esclareceram o caso e prenderam os autores do hediondo crime que vitimou o professor aposentado Geraldo da Costa Gabas de 90 anos de idade.

 

Na manhã do último domingo, dia 27, por volta das 7h, o professor foi encontrado morto vítima de latrocínio (roubo seguido de morte) no interior de sua residência. O corpo do aposentado foi encontrado logo pela manhã por uma funcionária que presta serviço na casa da vitima e que assustada chamou a polícia.

 

Imediatamente policiais civis e militares começaram as diligências no sentido de elucidar o crime. O princípio das investigações foi à verificaçao das filmagens das câmeras de segurança que estão instaladas na residência da vitima, quando foi possível visualizar quem entrou e saiu do imóvel.

 

Em posse das imagens os policiais começaram a checar os últimos contatos feitos pelo aposentado, ainda na noite do sábado, dia 26. Durante todo o domingo os investigadores ficaram cruzando essas informações e imagens e chegaram a dois suspeitos que confessaram o crime dando detalhes do latrocínio. A polícia encontrou com os autores uma arma de fogo e munições que foram roubados da residência. O veículo que também foi subtraído foi localizado as margens de uma estrada rural nas proximidades do bairro Morrinho no município de Monte Alto totalmente queimado.

 

Os detalhes e nomes dos autores, que são dois jovens aqui de Fernando Prestes, um menor de idade e outro com 19 anos, devido a decretação segredo de Justiça, por hora não será divulgado, tendo em vista que as investigações ainda estão em andamento para apurar todos os pormenores do crime e publicidade poderia interferir o resultado do inquérito policial.

 

Ainda não foi definida a causa da morte do professor, que será determinada pelo IML de Jaboticabal. Ele estava deitado de bruços com as mãos amarradas por um fio (internet)com vários hematomas no rosto e na cabeça, possivelmente resquícios de espancamento.

 

O Delegado de Polícia Dr. Claudemir Ap. Pereira da Silva que preside a investigação informou que o maior fora preso temporariamente e o menor custodiado, e que tem o prazo de trinta dias para concluir o caso. Caso condenado, o autor estará sujeito a pena de 20 a 30 anos de reclusão.